ESPECIAL

 terça-feira, 17 de março de 2020

 
 
EXTRA

Nota sobre Comunicado do Banco “BNDES confirma 1º caso de coronavírus”

 

Caros benedenses,

A situação que enfrentamos é grave e nova para todos nós, tanto para o conjunto dos empregados do BNDES quanto para os responsáveis pelas decisões críticas do momento atual: os membros do Comitê de Contingência, a Diretoria do BNDES e a FAPES.

Em momentos como esse, a confiança nas autoridades responsáveis sofre um teste de estresse. Precisamos ser coordenados – para não sucumbirmos ao pânico e deixarmos de dar nossa contribuição ao país –, mas para isso necessitamos confiar em quem nos comanda. A pergunta que sempre está presente é a seguinte: nossa saúde (e de nossas famílias) está sendo devidamente considerada?

Entendemos que o BNDES está sendo convocado para cumprir seu papel nesse momento difícil. E é importante que atendamos essa demanda.  Mas defendemos que o BNDES deveria operar com o mínimo de pessoal possível, ou seja, o número de pessoas mínimo necessário para manter os serviços que são indispensáveis. Deveríamos usar a experiência dos executivos de carreira da Casa para, de forma decentralizada, determinar qual é esse número mínimo por área. Esse é o procedimento natural que já está sendo posto em prática, de certa forma, por aqueles que conseguem ter acesso aos superintendentes.

Com o intuito de contribuir para um enfrentamento apropriado dos desafios colocados pela pandemia do novo coronavírus no BNDES, a AFBNDES faz ainda os seguintes comentários sobre o Comunicado:

1. O Comunicado divulgado pela Administração depois das 23h41m de ontem peca por não fornecer explicações ou justificativas para os empregados. Não é aceitável e não é favorável para que se estabeleça um clima de confiança, um Comunicado que depois de reconhecer a existência de um caso confirmado de Covid-19 no Banco, se limite a declarar que “A Administração continua alerta e seguirá o cronograma definido para o Rio de Janeiro”. Tal procedimento deixa sem resposta a pergunta óbvia: não deveria haver alguma mudança nos procedimentos em função da confirmação de um caso? Ainda mais de um empregado que teve ampla exposição quando já estava infectado? Essa explicação deve vir o mais rápido possível e se tornar a prática usual daqui para frente;

2. Por meio de contato com o superintendente da APEC, depois de divulgado o Comunicado, foi informado que “Todos os funcionários que tiveram contato com o empregado em questão serão liberados, conforme protocolo adotado pela FAPES”. Por que o Comunicado não deixou isso mais claro, preferindo apenas afirmar que: “A FAPES também está monitorando aqueles que porventura tenham tido contato com o funcionário, de modo a orientá-los quanto ao procedimento mais indicado”.

3. Não foi explicitado um procedimento mais simples para os que tiveram contato direto com o empregado e deixou-se de abordar os casos de contato indireto, os casos daqueles que tiveram contato com os que tiveram contato direto com o colega infectado. Procuramos a FAPES para entender como se deveria proceder nessa situação. Na primeira ligação, caímos em uma caixa eletrônica; na segunda tentativa recebemos a seguinte orientação de uma atendente: os casos indiretos serão avaliados pela FAPES. Parece que haverá liberação dos que tiveram contato indireto, caso esse contato tenha sido com empregados que já apresentam sintomas da doença. A FAPES fará análise caso a caso na entrado do BNDES.

4. Que horas a Diretoria e o Comitê de Contingência tiveram ciência da confirmação do caso de infecção? Às 18h já circulavam notícias desta confirmação por WhatsApp. Caso tenha sido realmente nesse horário que a confirmação foi obtida, por que levaram cerca de cinco horas para que fosse preparado um Comunicado estritamente informativo (sem nenhuma explicação)?

É claro que o desafio das autoridades do BNDES é enorme. As declarações do representante maior do governo receberam forte reprovação da opinião pública. Queremos acreditar que os dirigentes do BNDES se pautam por outras considerações. O superintendente da APEC afirmou que outras grandes instituições públicas têm se espelhado no BNDES para apresentarem seus planos de enfrentamento da pandemia. Ficamos todos orgulhosos de que nossa organização sirva de exemplo e queremos que isto permaneça assim.

Reafirmamos que não é com outro espírito que não o de contribuir para o aperfeiçoamento dos procedimentos que nos comunicamos aqui. De forma alguma pretendemos desabonar os esforços que, estamos certos, foram intensos por parte daqueles que têm trabalhado para o enfrentamento da crise. Mas precisamos avançar na proteção aos empregados e na comunicação junto aos mesmos.

A AFBNDES

 
 

OPINIÃO

Sequer meias medidas por Paulo Moreira Franco