Acontece

Edição nº1381 – quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

Pegou mal, ministro

A declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, comparando servidores públicos a parasitas repercutiu mal entre integrantes do funcionalismo. Ainda na sexta-feira (7), o presidente da AFBNDES, Arthur Koblitz, criticou a fala: "O ministro fez toda a sua vida no mercado financeiro, curioso ele falar isso, porque quem tem essa fama de parasita é o próprio mercado financeiro", disse. Segundo ele, o setor público brasileiro é concursado por mérito. "No caso do BNDES, é quase uma unanimidade a qualidade de seus funcionários".

O Sindilegis (Sindicato dos Servidores da Câmara, Senado e Tribunal de Contas da União) emitiu nota de repúdio: "Parasita é o sistema financeiro, protegido pelo ministro da Economia, que escraviza o povo brasileiro em benefício de meia dúzia de banqueiros".

Também em nota, o Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado), que representa mais de 200 mil servidores, disse que Guedes desrespeita de forma gratuita a categoria: "Ele demonstra desprezo com o funcionalismo, além de desconhecer a máquina pública". O grupo pediu retratação pública do ministro e protocolou no último dia 11 uma queixa contra Guedes na Comissão de Ética da Presidência da República.

A presidente da Associação e Sindicato dos Diplomatas Brasileiros (ADB Sindical), embaixadora Maria Celina de Azevedo Rodrigues, disse se sentir "insultada, revoltada e indignada" por uma "classificação tão injusta".

A FUP (Federação Única dos Petroleiros) afirmou que repudia as declarações e que Guedes ataca de forma injusta parcela da população que serve aos governos e suas autarquias.

A Unafisco (Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal) disse que falta elegância e patriotismo a Guedes. "O assédio institucional que vem sendo praticado pelo sr. Paulo Guedes em relação aos servidores públicos já ultrapassa os limites legais e merece reação à altura".

O Sindicato dos Servidores das Justiças Federais no Estado do Rio (Sisejufe) também criticou as declarações de Guedes. Segundo a entidade, quando diz: "O hospedeiro está morrendo, o cara virou um parasita, o dinheiro não chega no povo e ele quer aumento automático", o ministro, além de fazer um comentário desrespeitoso, incompatível ao cargo, demonstra má-fé e desconhecimento quanto à realidade do funcionalismo público.

Mais repercussão da fala de Guedes na carta da Articulação das Carreiras Públicas pelo Desenvolvimento Sustentável (Arca).

 

Editorial

Vitórias, avanços, tigres e novas ameaças

Acontece

Conselheira eleita da Petrobras, apoiada pela FUP, vê empresa na contramão das tendências do setor

Opinião

Parasita por Fernando Newlands

Opinião

Os parasitas e hospedeiros que detonam nosso dinheiro por Sírlia Lima

Opinião

Charge de Nelson Tucci

 

VERSÃO IMPRESSA

(arquivo em PDF)

 

EDIÇÕES ANTERIORES

(a partir de 2002)

AGENDA

Pesquisa sobre Clube de Livros na AFBNDES

Foi encaminhada à AFBNDES proposta de um associado para a criação de um Clube de Livros. A ideia nasceu com o objetivo de oferecer livros que estimulassem o estudo e a reflexão sobre o Desenvolvimento, mantendo os analistas do BNDES atualizados sobre o assunto. A Associação entendeu que tal Clube poderia também contemplar outros temas de interesse dos associados.

O Clube de Livros é um projeto que consiste na compra coletiva de livros selecionados por um comitê-técnico-literário, com as publicações sendo entregues na casa dos associados assinantes ou em seu local de trabalho mediante o pagamento de uma mensalidade.

Para saber o interesse dos associados na iniciativa, estamos fazendo uma pesquisa que pode ser respondida pelo endereço eletrônico:

https://pt.surveymonkey.com

/r/clubedolivro. O link também está sendo enviado por quadro de avisos. Para mais informações, envie e-mail: afdiretoria@afbndes.org.br.