Editorial

Edição nº1392 – sábado, 16 de maio de 2020

Atualização das três crises

Os dados de casos e mortes por Covid-19, as previsões sobre a economia brasileira e o comentário geral na imprensa nacional e internacional confirmam posições e julgamentos que fizemos no Editorial do VÍNCULO em 25 de abril passado, intitulado “Brasil: crise política, econômica e sanitária”.  

Crise econômica  

Para quem não gosta ou nega nossa insistência com a submissão da atual diretoria do Banco à Brasília – tema do nosso editorial anterior –, gostaríamos de ver o que tem a comentar sobre a frase do ministro Paulo Guedes: “A gente faz o que bem entender com a Caixa e com o BNDES”.  

Avolumam-se as queixas de uma ação do BNDES marcada pelo funil dos bancos privados. As piores notícias quanto ao apoio via “sindicato dos bancos” também parecem se confirmar. A utilização específica que se faz do BNDES (inclusive e principalmente sua subutilização, por exemplo: o que está sendo feito com os recursos dos fundos não-reembolsáveis?) vai se tornando uma das evidências dos erros, argumentavelmente criminosos, da atual gestão econômica do país. 

Crise sanitária  

Quando o editorial foi publicado, o país registrava 4.057 mortes, hoje, 21 dias depois, alcançamos mais que o triplo do número de mortes – 15.633. Mais do que o triplo do México, segundo país da América Latina em mortes. Considerando a população total do país, são quase 70 mortes por milhão de habitantes. Nesse indicador, o Brasil é o terceiro pior em relação aos nove maiores países da América Latina (México, Colômbia, Argentina, Peru, Venezuela, Chile, Equador e Guatemala). Perde apenas para o Peru (73 mortes/m. hab) e para o conhecido desastre equatoriano, que gerou um cenário de pesadelo, com cadáveres sendo queimados na frente das casas etc. (147 mortes/m. hab). Confira aqui.

Não há indicação de que esse número no Brasil signifique que algum platô tenha sido alcançado. Com hospitais e UTIs lotados, estamos próximos, a nível nacional, ao que alguns estados estão experimentando – como o Amazonas, com seu sistema de saúde em colapso.  

Se esse número de mortes pode ser considerado uma medida de  resultado (output) do desempenho do Brasil em relação à crise sanitária, uma medida de esforço desse desempenho pode ser encontrada no número de testes que o país está fazendo para mapear a dimensão do problema do novo coronavírus entre nós. E nesse quesito de esforço o quadro também é sombrio. Entre os países citados acima, o Brasil é o quarto que faz menos testes: 3462 por milhão de pessoas – Guatemala (403 test/m.hab), México (1271 test/m.hab) e Argentina (2223 test/m. hab). Os dois países que estão à frente do Brasil por mortes por habitantes já fizeram muito mais testes: Peru (19.157 test/m. hab) e Equador (5.301 test/m. hab).  

Esses números, se não demonstram, são compatíveis com a hipótese de que estamos fazendo muito pouco, comparativamente, para enfrentar a crise. É curioso que a comparação do Brasil com os países da América Latina tenha sido relativamente pouco explorada até aqui. Escutamos a todo o momento, na imprensa e nas mídias sociais, comparações com países europeus e, é claro, com os Estados Unidos. Talvez um sinal de que a desconsideração cultural do nosso casamento geográfico com a região não apresenta vieses: ignoramos nossos vizinhos na “alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza”. Os efeitos disso são significativos. Há os que chegam a considerar nosso enfrentamento da crise como resultado da situação de desenvolvimento brasileira (não somos a Espanha, a Itália, muito menos a Alemanha). É fundamental esclarecer que o nosso grau de desenvolvimento não é responsável pelas irresponsabilidades do nosso governo.

De toda maneira, a empáfia brasileira não tem razão de ser. Que o desgoverno Bolsonaro nos torne mais humildes e latino-americanos poderia ser um legado positivo do atual desastre. Não somos “melhores” que ninguém, nossa sociedade conheceu maior sucesso no processo de industrialização por boa parte do século XX, mas é marcada profundamente pelas cicatrizes da desigualdade e da dependência que caracterizam a América Latina. Só num cenário como esse é possível um governo como o de Bolsonaro. Em resumo, se o subdesenvolvimento não nos condena ao bolsonarismo, é impossível imaginá-lo fora dos parâmetros dados pelo subdesenvolvimento. 

Crise política  

Antecipávamos, no mesmo editorial, que a crise política decorrente das denúncias do ex-ministro e juiz Sergio Moro seriam devastadoras. Sem dúvida que aumentou a instabilidade institucional.  As notícias aterrorizadoras  sobre o conteúdo do vídeo da reunião ministerial – as loucuras proferidas pelos ministros –, a manifestação, em seguida, antidemocrática e ameaçadora do vice-presidente da República, e por aí vai... A situação piora e é imprevisível nessa frente também.  

A queda da popularidade do governo surpreende menos do que a resistência de parte de sua base social. Assusta saber o quanto não temos anticorpos à ignorância mais profunda e o grau de fanatização das pessoas que seguem o presidente.  

Note-se que o que está em questão não é apenas ou principalmente o resultado substantivo que o Brasil apresenta. É todo o procedimento que estamos testemunhando para tomar decisões diante da crise. Veja o caso da Suécia. A controversa decisão do país de não acompanhar o consenso médico mundial é comandada, mal ou bem, por seus técnicos. Trata-se do julgamento sobre premissas incertas, questionamento de estudos feitos por outros países. Revela também julgamento aplicado às condições específicas do país: habitações pouco populosas, grau de instrução da população etc. O sistema de saúde sueco, por exemplo, não está em colapso e há notícias de que a política atual será revertida caso o país se aproxime dessa situação.  

No Brasil, em contraste, nossa condução é dada fundamentalmente por um homem insano que vive fora do país e é idolatrado pelo presidente e seus filhos. As instituições médicas são desrespeitadas, dois ministros da saúde, que eram simpáticos e aliados do presidente, são levados ao afastamento por não conseguirem ditar minimamente a política de combate ao novo coronavírus. Interesses privados empresariais se impõem sem nenhum disfarce e com total desconsideração à parcela mais pobre da população. Medidas econômicas de combate à crise são hesitantes e submetidas aos interesses dos bancos privados.  

O caso brasileiro vai para o exame da história. Como conseguimos, por vias democráticas, alcançar um resultado que combina liberalismo à la Pinochet e grau de obscurantismo desconhecido no mundo moderno (a competição com os regimes fascistas italiano e alemão, nesse quesito, é totalmente apropriada)? As instituições políticas que foram construídas nos anos 80 e as instituições econômicas criadas na segunda metade do século XX resistem. Mas o fracasso econômico e social da Nova República é mais que evidente.  

Que a saída dessa crise aconteça e tenhamos aprendido que ou mudamos radicalmente a direção do desenvolvimento econômico brasileiro ou estaremos ameaçados pelas criaturas desse Brasil autoritário, ignorante, submisso internacionalmente e desumano. Ou o Brasil aprende ou está ameaçado como Nação.

 

Acontece

Experiência da FAPES com equacionamento do PBB é tema de live

Acontece

A TLP na berlinda 

“Governo não tem margem para ação discricionária. A formação de taxa de juros com custo de referência da NTN-B amarrou o BNDES”, diz o presidente da AFBNDES, Arthur Koblitz

Acontece

Inscrição de chapas para eleição na AFBNDES segue até 27 de maio

Institucional

O Complexo Industrial da Saúde em tempos de pandemia

Movimento

Reconversão industrial em tempos de Covid-19

Movimento

A suposta tentativa de interferência do presidente na Polícia Federal em entrevistas no Faixa Livre

Opinião

Grupo BNDES?, por Paulo Faveret

Opinião

Eduardo em Jerusalém ou a bananinhalidade do mal, por Paulo Moreira Franco

Opinião

NEGACIONISMO, por Celso Evaristo
Silva

Opinião

Charge de Nelson Tucci

 
 

EDIÇÕES ANTERIORES

(a partir de 2002)

Solidariedade

“Vaquinha solidária”

Agradecimento do Instituto da Criança à comunidade benedense

Vídeo com o agradecimento de Pedro Werneck, cofundador e presidente do Instituto da Criança, aos funcionários do BNDES que participaram da “vaquinha solidária” para a ativação de três novos leitos de terapia intensiva no Hospital Universitário da UFRJ visando o atendimento a pacientes com a Confid-19. 

A “vaquinha solidária” organizada pela AFBNDES alcançou plenamente seu objetivo. Foram arrecadados R$ 332.358,34, com a participação de 955 doadores.  

O custo de implantação e manutenção de cada leito foi orçado em R$ 110.000,00 – envolvendo reforma de espaço, aquisição de equipamentos (respiradores mecânicos etc.) e custeio da equipe médica.  

Na ativação dos leitos, o Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF/UFRJ) responde pela gestão técnica operacional, enquanto o Instituto da Criança é responsável pela gestão dos recursos arrecadados. 

Para assistir ao vídeo, clique aqui.