Opinião

Edição nº1392 – sábado, 16 de maio de 2020

NEGACIONISMO

Celso Evaristo Silva

Empregado do BNDES e 2° vice-presidente da AFBNDES

O que as frases abaixo têm em comum?

Não há evidência de um extermínio organizado em massa... Se tivesse existido um programa, 200.000 judeus não poderiam ter emigrado entre 1933 e 1939 David Irving, historiador autodidata inglês, referindo-se ao holocausto.

Aquecimento global é farsa para mascarar interesses geopolíticos Ricardo Felício, meteorologista paulista.

“Não estudei o assunto da Terra plana. Só assisti a uns vídeos de experimentos que mostram a planicidade das superfícies aquáticas, e não consegui encontrar, até agora, nada que os refute” – Olavo de Carvalho, astrólogo, jornalista e autodidata.

A teoria da Evolução faliu, pois não conseguiu explicar a complexidade irredutível, a informação arbitrária e a antevidência vistas na vida Dr. Marcos Eberlin, defensor do Design Inteligente.

 O que ocorreu em 1964 não foi um golpe, e sim uma mudança de tipo institucional’” Ricardo Vélez Rodriguez, ex-ministro da Educação.

 Se você for ver a história realmente, o português não pisava na África, era [sic] os próprios negros que entregavam os escravos Jair Bolsonaro, numa entrevista à TV Cultura.

Bem, essas e outras tantas frases, artigos e livros representam a tentativa político-ideológica de negar a realidade como forma de escapar de uma verdade desconfortável; de forma a tornar possível a validação de teses e pautas ultraconservadoras.  Sua origem está na Europa Ocidental e nos EUA. 

Essa tendência não é tão nova assim. Alguns anos após a 2ª Guerra Mundial, ativistas do ultraconservadorismo mundial iniciaram de forma tímida, no início a desenvolver retórica revisionista sobre a ocorrência ou não do holocausto extermínio sistemático de judeus, soviéticos, ciganos, testemunhas de Jeovah, presos políticos, homossexuais, deficientes físicos e mentais etc., mortos pelos nazistas e seus aliados, antes e durante o conflito. As conclusões a que chegavam os negacionistas eram variadas: ele nunca existiu; o número de mortos é bem menor do que se diz; os campos de concentração não eram campos de extermínio, mas de trabalho... e por aí vai.

Enquanto esse movimento crescia pontual e lentamente no interior de grupos políticos da extrema-direita mundial, outra corrente negacionista proveniente do campo religioso, chamada criacionismo, atacava as bases do evolucionismo biológico de Charles Darwin (1809-1882) e Alfred Wallace (1823-1913), acusando-o de falta de embasamento empírico, portanto, de ser pseudocientífico. Tempos depois, essa linha criacionista se dividirá em várias tendências, das quais as mais importantes são duas: a defensora dos ensinamentos bíblicos como fonte explicativa para a existência de todos os seres vivos e a dos defensores do design inteligente, que tentam justificar a criação da vida pela divindade, por meio de evidências empíricas como as encontradas, segundo essa corrente, no mapa genético dos seres vivos.

Outras expressões do negacionismo ganharam força fora e dentro do Brasil. Uma das mais recentes é a dos contestadores da esfericidade da Terra e do heliocentrismo. Os terraplanistas como ficaram conhecidos procuram apresentar evidências empíricas de suas premissas, defendendo-as tenazmente, mesmo quando contraditadas por argumentos calcados em estudos da ciência moderna.

Todavia, é no âmbito da interpretação dos acontecimentos históricos que a tendência negacionista tem apontado seu arsenal mais forte de combate ideológico. Além do já citado revisionismo acerca do holocausto, há, no caso brasileiro, contumaz contestação dos resultados de estudos sobre a escravidão negra e o Golpe civil militar de 1964, considerado por esses grupos uma contrarrevolução anticomunista só para ilustrar dois casos emblemáticos desse ataque negacionista.

Mesmo quando certos autores de livros sobre a escravidão negra no Brasil não chegam a adotar uma postura claramente de negação do fenômeno, é possível perceber elementos argumentativos atenuantes do sistema escravista, tais como: a escravidão era parte da cultura africana; havia, no Brasil, ex-escravos possuidores de escravos; o racismo no Brasil foi diluído pela miscigenação racial decorrente da interação sensual entre a casa-grande e a senzala”.   

Tais argumentos, respaldados por alguma comprovação factual, tomados por si sós, desconectados da dinâmica do sistema escravista, podem ter algum teor de verdade, o que não desmonta, de forma nenhuma, as conclusões de inumeráveis e importantes estudos históricos sobre deformações éticas, políticas, econômicas e sociais herdadas pela sociedade brasileira, decorrentes do passado escravocrata do país. Ou seja, o negacionismo do que foi a escravidão, de sua natureza perversa, é, muitas vezes, sutilmente disfarçado pela constatação empírica de determinados aspectos tomados fora do contexto maior de sua dinâmica e pelo peso dado à micro influência de sua ocorrência. O número de ex-escravos com alguma mobilidade social ascendente é a exceção que só vem a confirmar a regra do apartheid social provocado pelo sistema escravista.

A mais recente realidade negada foi a pandemia provocada pelo novo coronavírus a Covid-19.  Aqui, no Brasil, e alhures, vários grupos negacionistas afirmavam taxativamente tratar-se de uma histeria coletiva, de uma simples gripe, ou ainda, que a China se beneficiaria economicamente com a crise, principalmente por causa da queda do preço do petróleo e das ações de grandes empresas no mundo, além da valorização do dólar, aumentando o lucro dos chineses com a venda de títulos públicos americanos. Essa atitude desvairada de negar a gravidade da situação causou perda de tempo precioso no combate inicial à doença em alguns países ocidentais, como a Itália, onde se criou até uma campanha contra o isolamento social na Lombardia, cujo bordão era: Milão não para!. Cedo, essa negação da realidade custaria caro aos habitantes locais e de todo o país.

Bem, mas o que leva muitas pessoas a negar fatos históricos, experimentos e teorias científicas amplamente comprovados sem ter elementos de contraprova de peso? Por que teorias conspiratórias ganham tamanha força de verdade sem nenhuma ou com pouquíssima conexão com a realidade dos fatos e evidências? Onde os negacionistas pretendem chegar com essa atitude de afastamento quase patológico da realidade? Qual a gênese do negacionismo?

Poderíamos especular sobre as perguntas acima dando como repostas a crise de mudança de milênio, o fim de uma era e o parto de outra; talvez o desdobramento normal das contradições da sociedade massificada, na qual pensamentos estereotipados, ideias de fácil assimilação e o fast food cultural substituam por serem de rápida e fácil assimilação o trabalho meticuloso e demorado do conhecimento científico. Aquilo descrito pelo intelectual conservador Ortega y Gasset (1883-1955) no seu livro A Rebelião das Massas:

Observai os que vos rodeiam e vereis como avançam perdidos na vida; vão como sonâmbulos, em sua boa ou má sorte, sem ter a mais leve suspeita daquilo que lhes acontece. Ouvireis como falam em fórmulas taxativas sobre si mesmos e sobre o seu entorno, o que indicaria que possuem idéias sobre tudo isso. Porém, si analisásseis sumariamente essas idéias, notaríeis que não refletem muito nem pouco a realidade a que parecem referir-se, e se aprofundásseis mais na análise acharíeis que nem sequer pretendem ajustar-se a tal realidade. Antes o contrário: o indivíduo trata com elas de interceptar a sua própria visão do real, de sua vida mesma. Porque a vida é o caos no qual se está perdido. O homem o suspeita: porém o assusta encontrar-se cara a cara com essa terrível realidade, e procura ocultá-la com uma cortina fantasmagórica onde tudo está muito claro. Não lhe importa que suas idéias não sejam verdadeiras; emprega-as como trincheiras para defender-se de sua vida, como instrumentos para afugentar a realidade”.

Pois bem, o movimento negacionista composto por diversas correntes vem crescendo enquanto força política conservadora. Seu combate ao tripé da herança iluminista é nítido: a racionalidade, o humanismo e a laicidade do Estado. Serve de base à tentativa de ressurgência da religiosidade medieval marcada pela submissão absoluta do homem ao poder divino e da Terra como local da sua manifestação no universo (geocentrismo); o criacionismo bíblico passa a ser um dogma, daí sua difícil convivência com os princípios e explicações científicas da biologia. No plano político o objetivo parece ser o restabelecimento do regime teocrático. O tipo de Estado ideal seria aquele caracterizado pela sinergia entre a técnica profana e os valores do cristianismo. Outro elemento importante no ideário negacionista é o alinhamento com os princípios do liberalismo econômico. Estaria assim forjada a base ideológica para a restauração da chamada civilização ocidental judaico cristã.

Tudo leva a crer ser este o percurso desse estranho movimento de reação à modernidade. Sua presença é tão avassaladora quanto intrigante; tão banal quanto oculta nas suas reais intenções. Políticos, empresários, intelectuais, tecnocratas ao adotarem atitudes negacionistas são capazes de afirmar algo categoricamente pela manhã, desmentir o dito à tarde e modificar tudo à noite... e o pior: sem causarem grandes consternações na cabeça de seus ouvintes. É quando o negacionismo enquanto estratégia política passa a incorporar também o cinismo ético como paradigma existencial.

 

Opinião

Eduardo em Jerusalém ou a bananinhalidade do mal, por Paulo Moreira Franco

Opinião

Grupo BNDES?, por Paulo Faveret

Opinião

Charge de Nelson Tucci

Editorial

Atualização das três crises

Acontece

Experiência da FAPES com equacionamento do PBB é tema de live

Acontece

A TLP na berlinda 

“Governo não tem margem para ação discricionária. A formação de taxa de juros com custo de referência da NTN-B amarrou o BNDES”, diz o presidente da AFBNDES, Arthur Koblitz

Acontece

Inscrição de chapas para eleição na AFBNDES segue até 27 de maio

Institucional

O Complexo Industrial da Saúde em tempos de pandemia

Movimento

Reconversão industrial em tempos de Covid-19

Movimento

A suposta tentativa de interferência do presidente na Polícia Federal em entrevistas no Faixa Livre

COLABORAÇÕES

Colaborações podem ser enviadas para a redação do VÍNCULO - Av. República do Chile 100, sobreloja/ mezanino, Centro, Rio de Janeiro, RJ, CEP 20139-900 - ou através do e-mail vinculo@afbndes.org.br. As opiniões emitidas nos artigos assinados são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião da AFBNDES e do BNDES.