Institucional

Edição nº1403 – sábado, 1º de agosto de 2020

Saturnino celebra o centenário de Celso Furtado

 

reprodução

 

Em 26 de julho de 2020, o Brasil celebrou o centenário de nascimento de Celso Furtado (1920-2004). A convite do Clube de Engenharia, o conselheiro vitalício Roberto Saturnino Braga prestou sua homenagem ao grande economista e um dos mais importantes pensadores sociais brasileiros. Saturnino, que também tem lugar cativo na história do pensamento desenvolvimentista brasileiro, registrou na websérie “Brasil Amanhã” que Furtado foi um pioneiro, destrinchando em dezenas de livros as raízes do subdesenvolvimento do Brasil, examinando com profundidade os processos econômicos na América Latina e criticando o colonialismo e a geopolítica global. Foi também um importante ator político, tendo dirigido trabalhos na Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), na Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE) e no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (hoje BNDES). A homenagem vem em um contexto crítico para o Brasil: celebrar Furtado é, para Saturnino, utilizar de seu pensamento como ferramenta de análise e proposição de soluções para o país de hoje.  

Roberto Saturnino Braga é formado em Engenharia Civil e Econômica, com cursos da CEPAL e do Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB). Foi funcionário do BNDES, a partir do primeiro concurso do Banco, em 1956. Teve longa vida política, como vereador, deputado federal e senador por três mandatos, tendo sido o primeiro prefeito do Rio de Janeiro eleito pelo voto direto. Escritor, tem 15 livros publicados, de política e de literatura de ficção. É conselheiro vitalício do Clube de Engenharia e presidente do Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento e do Instituto Cultural Casa Grande.

      

 

Editorial

Erro nosso

Acontece

Votação da Pauta de Reivindicações de 2020 será na segunda-feira (3), das 8 às 22h

Institucional

Reflexos da pandemia: Notas Técnicas do Dieese sobre Educação e Emprego

Movimento

Definido calendário da negociação dos bancários com a Fenaban 

Teletrabalho será negociado na próxima terça-feira (4). Calendário segue até 18 de agosto

Movimento

Funcionários do Banco do Brasil pedem ao TCU que apure operação com BTG Pactual

Movimento

As consequências do teletrabalho em live do Sindicato dos Bancários

Opinião

Lok e a Gestão, por  Paulo Faveret

Opinião

Bike boom, por João Picanço

Opinião

Charge de Nelson Tucci

 
 

EDIÇÕES ANTERIORES

(a partir de 2002)

WEBSÉRIE

É possível reduzir a destruição da floresta e impulsionar o desenvolvimento da Amazônia, diz Carlos Minc 

As políticas de proteção ambiental e o desenvolvimento de tecnologias sustentáveis devem andar lado a lado, defende o deputado Carlos Minc, convidado da websérie “Brasil Amanhã”, promovida pelo Clube de Engenharia. Para ele, é preciso defender políticas rigorosas de licenciamento ambiental como estratégia de segurança da população e de defesa do meio ambiente, principalmente diante dos gravíssimos episódios recentes. Minc criticou a postura do atual governo federal com relação ao tema, com seguido enfraquecimento do combate ao desmatamento e queimadas na Amazônia. Como ex-ministro do Meio Ambiente, Minc diz ter constatado na prática que é possível reduzir a destruição da floresta e, ainda assim, impulsionar o desenvolvimento da Amazônia. Para Minc, valorizar a floresta em pé deve ser a estratégia norteadora para a região, impulsionando a pesquisa científica e o uso sustentável dos recursos naturais.  

Deputado estadual, ocupando seu oitavo mandato na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, Carlos Minc possui mestrado em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Técnica de Lisboa e doutorado em Economia do Desenvolvimento pela Universidade de Paris I – Sorbonne, com longa trajetória em movimentos ecologistas e sociais. Em 1989, recebeu o Prêmio Global 500, concedido anualmente pela Organização das Nações Unidas (ONU) para pessoas que se destacam mundialmente nas lutas em defesa do meio ambiente. É professor-adjunto licenciado do Departamento de Geografia da UFRJ. Foi secretário de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro (2007-2008, 2011-2014) e ministro do Meio Ambiente (2008-2010).