Movimento

Edição nº1412 – sábado, 17 de outubro de 2020

Desmatamento em outro patamar durante o governo Bolsonaro

O Inpe divulgou na última sexta-feira (9) o dado de alertas de desmatamento de setembro. Segundo o Observatório do Clima, é o segundo pior da série histórica do sistema de monitoramento Deter-B, com 964 km2, perdendo apenas para setembro do ano passado, que teve 1.543 km2 devastados. 

Os satélites indicam mais uma vez que a Operação Verde Brasil 2, que completou cinco meses na Amazônia, fracassou em frear o desmatamento e as queimadas. “Afinal, o desmate nos meses mais secos do ano (maio a setembro) no governo Bolsonaro, que também é o período da operação militar, segue duas vezes maior do que nos três anos anteriores da série”. 

Em 2016, 2017 e 2018 a média mensal de alertas de desmatamento nesse período era de 576 km2. No governo Bolsonaro, ela saltou para 1.189 km2. As queimadas na Amazônia entre maio e setembro foram 21% maiores do que no mesmo período do ano passado. 

“Os números do desmatamento continuam altos e inaceitáveis. Em setembro, a cada minuto uma área do tamanho de 2 campos de futebol foi derrubada de forma ilegal. Enquanto o vice-presidente demonstra o mesmo negacionismo sobre a crise ambiental do presidente e do ministro do Meio Ambiente, o crime corre solto na Amazônia, com a certeza da impunidade”, afirma Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima. “Essa atitude pode até colher aplausos da claque do governo nas redes sociais, mas no mundo real ela produz destruição, evasão de divisas, emissões de carbono e danos comerciais, como vimos nesta semana com a indicação do Parlamento Europeu de que não aprovará o acordo entre a União Europeia e o Mercosul.” 

Veja gráfico sobre o crescimento do desmatamento aqui.

Movimento

Conselheira eleita questiona venda acelerada de ativos da Petrobrás 

Acontece

Com concordância do TST, negociação do ACT 2020 segue até quarta-feira (21)

Saúde

Mamografia e acompanhamento médico são essenciais para prevenção do câncer de mama

Acontece

II Simpósio MulheRio em novembro

Opinião

Gatos, dois pares, por Paulo Moreira Franco

Opinião

Charge de Nelson Tucci

Institucional

Eleições movimentam entidades de classe no Rio de Janeiro

 

 

 

EDIÇÕES ANTERIORES

(a partir de 2002)

MOVIMENTO

Os reflexos do auxílio emergencial na economia brasileira 

Entrevista do economista José Luís Fevereiro ao Programa Faixa Livre  

O economista do Instituto por Direitos e Igualdade, José Luís Fevereiro, comentou em entrevista ao Programa Faixa Livre, no dia 13/10, a recuperação da nossa economia nos últimos meses como reflexo do auxílio emergencial concedido pelo governo, mas ressaltou a tendência de queda com a redução do programa pela metade. Avaliou que o problema da crise não se resolve sem mudanças macroeconômicas, como o fim do teto de gastos e a retomada dos investimentos públicos, e destacou a revolução no mercado de trabalho provocada pelo nível de automação dos processos produtivos, algo que, segundo ele, a esquerda ignora. 

O Programa Faixa Livre vai ao ar, ao vivo, na Rádio Bandeirantes (1360 AM) – toda segunda-feira, das 9 às 10h; e de terça a sexta-feira, das 8 às 10h.