Editorial

Edição nº1450 – sexta-feira, 16 de julho de 2021

Não tem AJT sem previsão de sistema híbrido

Nova reunião sobre o Acordo de Jornada de Trabalho (AJT) foi realizada na última segunda-feira (12). Representando os trabalhadores, dirigentes da AFBNDES, AFFINAME, Contraf-CUT e Sindicato dos Bancários do Rio. Pelas empresas do Sistema BNDES, o cordial advogado Carlos Eduardo Dantas Costa – autor do livro “Abuso do Direito Sindical”, contratado pelo diretor jurídico Saulo Puttini –, o superintendente da APEC, Rodrigo Aquino, e sua equipe.

Se você achava que a administração apresentaria para a renovação do AJT, depois de quase um ano e meio de experiência de home office, um plano de trabalho híbrido para o BNDES, achou errado. Se você achava que depois do posicionamento dos representantes dos trabalhadores, apresentado no editorial do dia 26/06/2021, a administração iria incluir na proposta de AJT uma previsão de trabalho híbrido, pensou errado também.

Não. Eles não têm uma proposta, e já disseram que não vão elaborá-la para a negociação do AJT. Mas, e essa é a única notícia boa nessa seção do editorial, eles estão dispostos a ouvir a proposta dos representantes dos empregados sobre o trabalho híbrido (já dissemos também, no último editorial do VÍNCULO, que o Subcomitê de Contingência, formado por superintendentes, está aberto a receber sugestões a respeito do plano de retorno ao trabalho presencial) – e nós vamos encaminhar uma proposta sobre o tema até a próxima semana.

É verdade que quem se desapontou, adotou a premissa da razoabilidade. Talvez tenha sido essa a sua linha de pensamento: 

1. O BNDES já faz há alguns anos experimentos com trabalho remoto;

2. Durante o último ano e meio, diretores, e até o presidente do BNDES, já afirmaram publicamente que o desempenho do BNDES nesse período de trabalho remoto foi notável (talvez não tenha sido esse o adjetivo). Uma indicação de que o trabalho do BNDES é compatível com um sistema híbrido;

3. A administração sabe da disposição da grande maioria dos benedenses para alguma forma de trabalho híbrido; muitos em caráter permanente, alguns por conta dos arranjos familiares que fizeram em função da pandemia, outros por medo do contágio etc.

4. No momento de negociar o AJT, a diretoria anuncia um plano de retorno ao trabalho presencial. Por que então não aproveitar a oportunidade?

Nosso posicionamento em mesa foi claro: sem uma previsão de trabalho híbrido, não vemos possibilidade de fechar o Acordo.

A despeito das experiências do último ano e meio, mantemos sempre a esperança de que podemos encontrar pontos de convergência com a atual administração. No nosso entendimento, é natural termos, ao mesmo tempo, pontos de divergência e convergência.

Mas também não nos cabe alimentar ilusões. Torcendo pelo melhor, torcendo pelo êxito das negociações, nos sentimos na obrigação de dizer aos colegas: é bom todo mundo se preparar para participar de futuras lives da AFBNDES, manter leitura atualizada do VÍNCULO, compartilhar o número do telefone de nossa rede de WhatsApp (96607-2311), conversar com amigos que não se ligam muito nos temas relacionados às condições de trabalho, fazer contato com chefes de departamento e superintendentes mais próximos.

Ou seja: mais uma vez serão fundamentais a participação e o esforço de todos. Sem isso, diminuem e muito nossas chances de sermos bem-sucedidos nessa negociação. Garantimos que a AFBNDES está pronta para o resto.

Acontece

AFBNDES comemora 67 anos com campanha nas mídias socias

Acontece

Justiça determina posse de Arthur Koblitz no Conselho de Administração do BNDES

Acontece

Câmara dos Deputados aprova PDC 956

Projeto da deputada Erika Kokay busca suspender efeitos da Resolução CGPAR 23, que afeta os planos de saúde das estatais federais. Luta agora é no Senado

Acontece

Qual o papel dos Bancos de Desenvolvimento na crise da Covid-19?

Acontece

Nosso adeus a Aluizio Borba

Associado desde 1976 e diretor da entidade na década de 1990, o colega fez história nos campos de futebol do Clube da Barra

 
 
 

EDIÇÕES ANTERIORES

(a partir de 2002)

ACONTECE

Fim do desconto em folha a partir de 1º de agosto

Devido a uma cláusula do Acordo Coletivo de Trabalho de 2020, a partir de 1º de agosto não será mais realizado o desconto de mensalidades associativas e outros pagamentos, como empréstimo financeiro e seguro, na folha salarial dos empregados do Sistema BNDES.

Em função dessa mudança – que não atinge os sócios aposentados –, a AFBNDES passará a fazer tais cobranças por meio de débito em conta. Para tanto, é necessária a atualização cadastral dos sócios efetivos ativos, principalmente os dados bancários: banco, nº da conta corrente com dígito e nº da agência.

Para proceder esta atualização, o sócio deverá acessar o “Portal do Associado” no site da AFBNDES – canto superior à direita – e informar login (nº do CPF) e senha. No menu do portal, à esquerda, ele deve clicar em “Dados Cadastrais” e atualizar as informações em “CADASTRAIS” e “BANCÁRIOS”.

Importante: caso o associado já faça o pagamento da conta de telefonia celular ou da Bodytech por meio de débito em conta e proceda a troca de banco (do Itaú para o Banco do Brasil ou vice-versa), precisará autorizar novamente a operação no aplicativo da nova instituição bancária ou no caixa eletrônico.

Caso o sócio não tenha a senha de acesso ao “Portal do Associado”, deve solicitá-la ao Setor de Atendimento da AFBNDES através do  WhatsApp.