Movimento

Edição nº1450 – sexta-feira, 16 de julho de 2021

Alertas de desmatamento batem recorde em junho

E a destruição continua. Alertas de desmatamento na Amazônia em junho atingiram 1.062 km2, a maior área para o período desde o início da série do sistema Deter-B, do Inpe, em 2016, destaca o Observatório do Clima (OC). É o quarto mês consecutivo de alta recorde. O resultado indica que, sob o governo Bolsonaro, o desmatamento anual deverá ultrapassar pela terceira vez a marca de 10 mil km2 de destruição florestal, o que não ocorria desde 2008.

Agora faltam os dados de julho para fechar o período da taxa oficial de desmatamento, o Prodes – medido de agosto de um ano a julho do seguinte. Na quarta-feira (7), o general Hamilton Mourão, presidente do Conselho Nacional da Amazônia, afirmou: “A gente tem que chegar ao final do mês de julho com uma redução de uns mil km2 de desmatamento (em relação ao ano de 2020). Esse é o nosso objetivo bem claro, um objetivo factível”. Em 2020 foram derrubados 10,8 mil km2 de florestas na Amazônia, a maior taxa em 12 anos.

Alguns números ajudam a entender por que essa meta é inaceitável, alerta o OC:

– O “objetivo” de Mourão representa um aumento de 150% em relação à meta de 925 km2 de desmatamento fixada em 2009 na lei da Política Nacional sobre Mudança Climática;

– A média anual de desmatamento nos dois primeiros anos do regime Bolsonaro foi de 10,4 mil km2;

– Na década anterior (2009-2018) foi registrada média de 6,4 mil km2.

Segundo Marcio Astrini, secretário executivo do Observatório do Clima, o governo renunciou à obrigação de combater o crime ambiental. “Além de discursos contra o Ibama e o ICMBio, Bolsonaro promoveu mudanças em normas e imobilizou a estrutura de fiscalização. Desde outubro de 2019, um artifício burocrático criado pelo governo trava a cobrança de multas ambientais em todo o país. Em 2020, as multas por crimes contra a flora nos nove estados da Amazônia despencaram 51% na comparação com 2018, último ano antes do início do regime Bolsonaro”.

“Após dois anos e meio de desmonte, o ministro Ricardo Salles caiu no fim de junho sob acusação de montar um escritório do crime para favorecer madeireiros. No Congresso, avançam projetos que vão acelerar o processo de devastação, caso do PLs da grilagem, do licenciamento ambiental, da mineração em terras indígenas e contra a demarcação dessas áreas”.

“O anúncio do retorno dos militares à Amazônia neste mês, após a fracassada operação Verde Brasil, coincide com novos recordes de queimadas. Em junho, registrou-se na Amazônia maior número de focos de incêndio para o mês em 14 anos. Já o Cerrado teve as maiores queimadas em 11 anos. E a temporada de fogo está só começando”.

“Desde o início, o regime Bolsonaro sabota os órgãos de fiscalização ambiental e adota medidas para favorecer quem destrói nossas florestas. Os altos índices de desmatamento não ocorrem por acaso: são resultado de um projeto do governo. Bolsonaro é hoje o pior inimigo da Amazônia”.

Fonte: Observatório do Clima.

Editorial

Não tem AJT sem previsão de sistema híbrido

Movimento

Trabalhadores são prejudicados com vetos na lei que autoriza venda da Eletrobras

Opinião

Charge de Nelson Tucci

 
 

EDIÇÕES ANTERIORES

(a partir de 2002)

MOVIMENTO

5G e o desenvolvimento sustentável no Clube de Engenharia: vídeo disponível

Foi realizado em 7 de julho evento virtual da série “Encontros com a Tecnologia”, do Clube de Engenharia, com o tema “5G e o desenvolvimento sustentável brasileiro: desafios e oportunidades” e a participação de Marcio Patusco Lana Lobo, ex-presidente do Comitê Consultivo da Anatel, atuando hoje na Câmara de Universalização e Inclusão Digital do Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Os “Encontros com a Tecnologia” do Clube de Engenharia acontecem sempre na primeira quarta-feira do mês, das 18 às 20h, na plataforma Zoom.

Acesse, aqui, o evento do dia 7/7.