Movimento

Edição nº1462 – sexta-feira, 8 de outubro de 2021

Manual de retorno ao trabalho presencial é debatido no Banco do Brasil

Acordo de Teletrabalho é negociado na Caixa Econômica Federal

O grupo técnico da comissão bipartite para a construção de um manual de conduta dos funcionários do Banco do Brasil no retorno ao trabalho presencial se reuniu na última segunda-feira (4). Composto por advogados e médicos do trabalho por parte do banco e assessores de saúde do movimento sindical, o grupo analisou a proposta de manual do BB e fez uma série de apontamento para garantir tranquilidade e saúde aos trabalhadores que retornarão.

O movimento sindical reforçou o uso obrigatório de máscaras PFF2/N95, fornecidas pelo banco, a necessidade de higienização, sanitização e a reformulação do layout das estações de trabalho, a proibição de comemorações e a realização de eventos que gerem aglomerações nos ambientes de trabalho. “Cobramos também a adequação dos aparelhos de ar-condicionado, da ventilação e da purificação, com a correta manutenção. Queremos ainda garantir o acompanhamento dos locais pelas CIPAs e pelos sindicatos”, cobrou a representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (
Contraf-CUT) nas negociações com o BB, Fernanda Lopes.

O relatório final da reunião foi entregue ao banco. “Aguardamos agora a marcação de uma reunião para fecharmos o manual e garantir que todos os funcionários que retornarem ao trabalho presencial estejam seguros, livres de riscos à sua saúde”, finalizou coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB) João Fukunaga. 

Caixa Econômica

Já a Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal se reuniu na quinta-feira (7) com representantes do banco para debater o acordo de teletrabalho e banco de horas. “A retomada das negociações sobre teletrabalho e banco de horas é importante porque queremos o melhor acordo possível para todos”, disse a coordenadora da CEE, Fabiana Uehara Proscholdt.

Houve a sinalização positiva do banco para avançar em alguns pontos, como a redução do prazo de compensação das horas-extras e o aumento do valor da ajuda de custo, como propuseram os representantes dos empregados na última minuta enviada ao banco.

Houve progresso também na discussão sobre o acesso dos sindicatos aos empregados em trabalho remoto. “Precisamos ter acesso aos trabalhadores para assegurar os direitos que eles possuem, mesmo realizando suas funções neste modelo, como a jornada de trabalho, a garantia das condições de saúde, entre outros itens”, destaca Fabiana.

A cláusula ainda sem acordo é o controle da jornada no trabalho remoto. O banco quer estabelecer que o controle seja facultativo, mediante negociação entre o gestor e o empregado. Para Fabiana, este ponto é inegociável. “Para nós é extremamente importante e o acordo não avançará se não houver controle de jornada para todos os empregados que estão em teletrabalho ou home office”, disse ao lembrar que são diversas as situações em que a Caixa abusa da jornada de trabalho para quem não tem registro de ponto. “E o registro deve refletir o modelo de trabalho presencial, assim como é feito no Banco do Brasil e em outros bancos. “A Caixa é o único banco que adota teletrabalho sem controle de jornada”, completou.

Rogério Campanate, diretor do Seeb-Rio e presidente da Associação de Gestores da Caixa (Agecef) do Rio de Janeiro, acrescentou que o registro facultativo não dá garantias ao trabalhador. “Enquanto a gente não encontrar uma forma de garantir ao empregado que a opção é realmente dele, vamos nos manter contrários ao registro de ponto facultativo”, ressaltou.

Na semana passada, como informou o
VÍNCULO, a Caixa comunicou à Contraf-CUT que o prazo para a continuidade da modalidade de teletrabalho nas unidades do banco foi prorrogado até o final de 2021. A Contraf-CUT havia enviado ofício à Caixa no dia 14 de setembro fazendo esta solicitação devido à persistência da pandemia do novo coronavírus. A data prevista para o retorno ao trabalho presencial no acordo específico de teletrabalho em decorrência da pandemia se encarraria no dia 30/9.

Editorial

Retorno, mas ao novo normal

Movimento

Guedes e Campos Neto na berlinda por causa de offshores em paraísos fiscais

Movimento

Rompendo barreiras para representar empregados da Caixa

Movimento

Ambientalistas reagem a “pacote antiambiental” do Ministério da Economia

Institucional

O SUS em debate no Jornal dos Economistas

Opinião

Charge de Nelson Tucci

 
 
 

EDIÇÕES ANTERIORES

(a partir de 2002)

MOVIMENTO

Desgoverno na Economia sob a batuta de Guedes 

O economista e professor da Universidade de Brasília (UnB) Dércio Garcia Munhoz indicou em entrevista ao Programa Faixa Livre (4/10) um quadro de ‘desgoverno’ na economia sob a batuta do ministro Paulo Guedes, avaliou soluções para a estagflação que afeta o país, com crescimento estagnado e inflação acelerando, analisou os novos números de desemprego e informalidade divulgados pelo IBGE e comentou a revisão da estimativa de alta do Produto Interno Bruto (PIB) para 2022 pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Programa Faixa Livre vai ao ar, ao vivo, na Rádio Bandeirantes (860 AM) – toda segunda-feira, das 9 às 10h; e de terça a sexta-feira, das 8 às 10h.