Movimento

Edição nº1527 – quinta-feira, 19 de janeiro de 2023

Rodrigo Agostinho é o novo presidente do Ibama

Advogado, deputado federal e ex-prefeito de Bauru, ele integra a Frente Parlamentar Ambientalista do Congresso

reprodução

Rodrigo Agostinho, novo presidente do Ibama

O advogado e deputado federal Rodrigo Agostinho (PSB-SP) será o novo presidente do Ibama. Seu nome foi anunciado no sábado (14) pela ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva. Ele atuou na transição de governo, já presidiu a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara (2019-2020) e integra a Frente Parlamentar Ambientalista do Congresso.

Ex-prefeito de Bauru (SP) por dois mandatos pelo antigo PMDB (2009-2016), Agostinho foi eleito deputado federal em 2018. Seu mandato termina este mês. Formado na Faculdade de Direito de Bauru, ele tem mestrado em Ciência e Tecnologia com ênfase em Biologia da Conservação pela USC. É também biólogo pela Universidade Metropolitana de Santos.

O advogado integrou o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) por mais de 10 anos, foi gerente executivo do Instituto Arapyaú e fundou o Instituto Ambiental Vidágua. Na Câmara, integrava até dezembro as comissões de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (CAPADR) e de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI).

O anúncio da escolha de Agostinho ocorreu após 13 dias de governo e em meio a uma campanha lançada por um grupo de servidores, chamada Ibama para o Ibama, que defendia a nomeação de “um servidor da carreira de especialista em meio ambiente” para a presidência do instituto. Na primeira manifestação pública após a nomeação, neste sábado, o deputado afirmou que fará “uma gestão técnica, valorizando o trabalho dos servidores”.

Em nota divulgada pelo ministério, ele declarou: “Após tantas perseguições, assédios e erros estratégicos, vamos exercer a racionalidade. Nosso trabalho terá como foco prioritário o combate ao desmatamento, o fortalecimento da gestão pública socioambiental, a modernização das nossas estruturas e a defesa intransigente do meio ambiente equilibrado.”

Desenvolvimento rural sustentável O Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima também anunciou Edel Moraes para a Secretaria de Desenvolvimento Rural Sustentável da pasta. A indicada foi a 1ª mulher a ser vice-presidente do CNS (Conselho Nacional das Populações Extrativista), por dois mandatos, além de vice-presidente do Memorial Chico Mendes. Edel Moraes é doutoranda no CDS (Centro de Desenvolvimento Sustentável) da UnB (Universidade de Brasília) e tem mestrado em desenvolvimento sustentável de povos e territórios tradicionais. Também é especialista em educação do campo, desenvolvimento e sustentabilidade e integra o Grupo o Grupo de Estudos e Pesquisa da Amazônia.

Fontes: Observatório do Clima / Poder 360

Movimento

Ricardo Galvão assume o CNPq e diz que truculência negacionista foi derrotada

Movimento

Fórum Social Mundial de Porto Alegre 2023 acontece de 23 a 28 de janeiro

Movimento

Lula reúne centrais sindicais e anuncia GT para valorizar salário mínimo e avançar em direitos

Acontece

Prorrogado até 26/1 prazo para recebimento de contribuições a documento para Mercadante

Opinião

Uma Tarde na Cidade Fantasma, por Israel Blajberg

 
 

EDIÇÕES ANTERIORES

(a partir de 2002)

INSTITUCIONAL

Decifrando a nova política fiscal, em podcast do IE/UFRJ

No podcast do Grupo de Conjuntura Econômica da UFRJ, o tema é “Tentando decifrar a nova política fiscal”, com os professores Francisco Eduardo Pires e Margarida Gutierrez.

Confira vídeo disponível no canal do IE/UFRJ no YouTube, aqui.