Movimento

Edição nº1527 – quinta-feira, 19 de janeiro de 2023

Ricardo Galvão assume o CNPq e diz que truculência negacionista foi derrotada

reprodução

Ricardo Galvão, novo presidente do CNPq

O físico Ricardo Galvão, ex-diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), assumiu na terça-feira (17) a presidência do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) em uma cerimônia marcada pela emoção e pelo anúncio da recomposição integral do orçamento do FNDCT (Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), principal instrumento público de financiamento da ciência no país.

A escolha do pesquisador de 75 anos foi celebrada em evento prestigiado por diplomatas, reitores e pesquisadores como Renato Janine Ribeiro, presidente da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), e Helena Nader, presidente da ABC (Academia Brasileira de Ciências).

Em seu discurso, Galvão fez vários agradecimentos, incluindo um reconhecimento ao trabalho dos servidores públicos, e compartilhou uma reflexão sobre o embate com o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), ocorrido em 2019.

Em julho daquele ano, lembra a Folha de S. Paulo, ao ser cobrado pela imprensa estrangeira sobre os altos níveis de alertas de desmatamento que vinham sendo registrados pelo sistema Deter, do Inpe, Bolsonaro disse que tinha "convicção" de que os dados eram "mentirosos" e acusou Galvão de estar "a serviço de alguma ONG".

O pesquisador reagiu imediatamente e, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, criticou a atitude do então presidente, que o exonerou duas semanas depois. O monitoramento do Inpe, porém, continuou mostrando, mês a mês, que o desmatamento da Amazônia seguia sem freio.

Após o embate, Galvão  como uma das dez pessoas mais importantes para a ciência no ano de 2019 e, em 2021, foi contemplado com o prêmio internacional de Liberdade e Responsabilidade Científica concedido pela AAAS (Associação Americana para o Avanço da Ciência).

"Será que após cerca de 50 anos de vida profissional dedicada a dar o melhor de mim para o crescimento da ciência no país eu veria em meus últimos anos de atividade um enorme retrocesso?", disse Galvão nesta terça (17), lembrando o apoio que recebeu de colegas e entidades e os pensamentos que o afligiram após a exoneração.

"É claro que eu e outros colegas pesquisadores não fomos arrastados pelas ruas de nossas cidades. Estávamos sofrendo não fisicamente, mas no âmago de nossas almas devotadas à soberania da ciência devido aos ataques perversamente negacionistas de um governo tresloucado", complementou.

Visivelmente emocionado, Galvão afirmou que a truculência negacionista foi derrotada e que a cerimônia e a nomeação da professora Mercedes Bustamante para presidir a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) provam que a ciência brasileira sobreviveu.

"No dia de hoje, viramos essa página triste da nossa história com a convicção de que a ciência voltará a promover grandes avanços", afirmou antes de encerrar com uma citação de Guimarães Rosa: "O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem."

► Leia também...

“Orçamento do MMA tem recomposição de meio bilhão e retorna ao nível pré-Bolsonaro” (Observatório do Clima).

Movimento

Rodrigo Agostinho é o novo presidente do Ibama

Movimento

Fórum Social Mundial de Porto Alegre 2023 acontece de 23 a 28 de janeiro

Movimento

Lula reúne centrais sindicais e anuncia GT para valorizar salário mínimo e avançar em direitos

Acontece

Prorrogado até 26/1 prazo para recebimento de contribuições a documento para Mercadante

Opinião

Uma Tarde na Cidade Fantasma, por Israel Blajberg

 
 

EDIÇÕES ANTERIORES

(a partir de 2002)

INSTITUCIONAL

Decifrando a nova política fiscal, em podcast do IE/UFRJ

No podcast do Grupo de Conjuntura Econômica da UFRJ, o tema é “Tentando decifrar a nova política fiscal”, com os professores Francisco Eduardo Pires e Margarida Gutierrez.

Confira vídeo disponível no canal do IE/UFRJ no YouTube, aqui.